2015-08-10

3/5 Tour no vale do silício: Cinco tendências em cinco semanas

Notícias Pro Sky
News: 3/5 Tour no vale do silício: Cinco tendências em cinco semanas

Rótulo: Events Inspiration


Será que o Vale do Silício já é o coração do setor automobilístico? As reportagens da mídia podem dar essa impressão. Afinal, entre outras companhias do setor, a Mercedes-Benz está aqui há quase 20 anos, desenvolvendo tecnologias inéditas para o futuro em Sunnyvale. Além disso, os carros do Google estão sempre na rua. Mas, a mobilidade é muito mais que os tão falados carros autônomos. Mathias Haas, THE TRENDWATCHER, descreve o cenário. Ele descobre os carros ultrafinos projetados para andar na cidade, os ônibus que automaticamente se conectam e as “caixas de sapatos” que viajam para o espaço.


Na área de mobilidade, existe um assunto que está nas manchetes há meses: o Projeto do Carro Autônomo do Google. Carros autônomos seguros terão um impacto em todas nossas vidas no futuro. Mas conceitos inteligentes de mobilidade podem tomar muitos rumos. A mobilidade não é apenas uma questão de tecnologias, mas também de ideias. Quando estamos tentando imaginar os conceitos do futuro, é importante pensar de maneira não convencional.

Rick Woodbury (l.) e seu carro urbano ultrafino - Foto: HAAS. THE TREDWATCHER.

É dessa maneira que Emmanuele Spera, cofundador e CEO da “next”, enxerga o mundo. Ele acredita que o sistema de transporte público é uma das áreas que mais precisa se atualizar. A sua solução é um sistema modular de transporte. Esses carros conseguem se acoplar uns aos outros (e claro que são autônomos – afinal, estamos no Vale do Silício) e depois continuar se acoplando com outras unidades a velocidade máxima.

E o que você acha de um carro ultrafino para uma pessoa projetado para zonas urbanas? Veja:

A padronização é a chave para o sucesso

Esses conceitos de mobilidade estão repletos de tecnologia inteligente, mas será que funcionam no cotidiano? Para o sucesso de novos conceitos de mobilidade, a disponibilidade dessa tecnologia é um dos fatores decisivos (a frase correta é “massa crítica”). Depois, outro fator importante também precisa ser levado em consideração: a padronização. Esse é um conceito que a NASA também está adotando.

A última novidada da agência especial dos EUA são os “CubeSats”, mini satélites de baixo custo. “Esses satélites são exemplos muito importantes de como explorar novas aplicações através da padronização”, disse Dr. Kai Goebel, cientista da NASA, durante uma conversa com Mathias Haas, nosso embaixador da Pro Sky.

Um CubeSat aberto – Foto da wikipedia 

CubeSat – o anão espacial

Os CubeSats, os “anões do espaço” que medem 11,35 x 10 x 10 cm e com peso máximo de 1,33 kg, possuem um formato estritamente padronizado e por um bom motivo: os CubeSats acompanham foguetes como uma ajuda para cargas extras. Usando esse formato, universidades e empresas privadas conseguem enviar seus próprios satélites para o espaço. Mas o uso crescente dos CubeSats – seja para monitoramento terrestre ou comunicações – também desperta controvérsia. Os defensores prometem nada menos que um “cosmo democratizado”, mas seus críticos advertem contra os escombros espaciais.

Mobilidade em aeroportos – uma perspectiva totalmente nova

O setor de aviação também pode se beneficiar de ideias nada convencionais que, de primeira vista, podem parecer utópicos. Algumas boas ideias apareceram durante um concurso organizado por um dos aeroportos de Paris. O desafio: melhorar mobilidade em aeroportos. Por exemplo, um dos projetos sugeriu patinetes elétricos que podem ser solicitados via smartphone ou até um sistema com cápsulas de transporte para levar passageiros até o portão de embarque. A melhor parte seria a economia em tempo porque a viagem pode ser aproveitada para realizar o check-in ou os controles de segurança. Isso realmente é pensar de maneira não convencional. Vamos aguardar para ver quais conceitos passam a fazer parte do nosso dia a dia.

A mobilidade é valiosa no Vale do Silício, em Paris ou até no espaço. No futuro, muitos conceitos inteligentes devem proporcionar ainda mais mobilidade.

 

 


Compartilhe essa notícia: